Páginas
TwitterRssFacebook
Seções

Publicado por em fev 14, 2017 em Uncategorized | 0 comentários

Somos Todos a FM Cultura

Por Jaqueline Chala. Jornalista formada pela UFRGS, produtora executiva e fundadora da Rádio FM Cultura e membro da ACCIRS desde sua criação.

Foto Leandro Osório

Foto Leandro Osório

Foi no final de 1988, lá por outubro ou novembro, que ouvi falar pela primeira vez da intenção do Governo do Estado de criar uma rádio chamada Cultura. O nome da emissora e a ideia de imediato me pareceram mágicos. Eu tinha 23 anos e trabalhava na redação da Rádio Cidade (que usava o nome comercial de Rádio AJB, pois pertencia ao Jornal do Brasil). Apesar da pouca idade, tinha trabalhado em outras duas emissoras comerciais e sonhava com o dia em que poderia falar das coisas de que mais gostava: cinema, música, arte, livros, cultura. Sem obrigatoriamente vincular qualquer um destes assuntos aos interesses comerciais do lugar onde trabalhava. Como todas as demais, a Rádio Cidade também tinha um matra (mapa de transmissão) estabelecido pela vontade das grandes gravadoras. As informações que veiculávamos eram sempre relacionadas aos discos mais vendidos, aos best-sellers e aos blockbusters, quando não às fofocas de artistas. A Rádio Cultura e o seu surgimento significou para mim o único caminho capaz de me levar à felicidade na profissão que havia escolhido aos 17 anos.

Me demiti da Cidade e entrei de cabeça no sonho coletivo de criar uma rádio que desse à cultura finalmente a atenção que ela merecia e deveria ter numa sociedade em que a educação sempre havia sido privilégio de poucos. Nosso sonho, da pequena equipe capitaneada pela Liana Milanez Pereira, a Baiana, era entregar à população de Porto Alegre e do Estado uma programação capaz de elevar a alma, abrir caminhos, servir como um complemento à educação de ouvintes, tornar as variadas estéticas de cada área da cultura acessíveis a um público maior. Enfim, fazer da rádio uma ponte entre o que se produzia em todos os campos da arte e do conhecimento e as pessoas através do meio que ainda hoje é o mais popular e democrático existente. Esta era a nossa “ponte para o futuro”, aquela que sempre acreditamos capaz de levar a sociedade condições de real crescimento. Um crescimento que fizesse o indivíduo compreender melhor o mundo em que vive e também, por que não, lhe proporcionar condições de competir em uma situação de maior igualdade intelectual nesta sociedade tão socialmente desigual. Uma pretensão enorme da qual nunca arredamos pé.

Meu ex-companheiro, o compositor Flávio Oliveira, que trabalhava então na Rádio da Universidade, também foi figura fundamental na criação da FM Cultura, ajudando a elaborar as grades de programação da emissora e a equilibrar aquele balanço nunca experimentado entre música erudita, mpb, música instrumental, jazz e até trilha de cinema. Uma mistura sonora que pouca gente acreditava capaz de dar certo. Flávio e seu colega Peter Naumann, tradutor do alemão e especialista em música erudita, ficaram responsáveis pelos programas nesta área naquele começo. Mais tarde veio a Sofia de Curtis que assumiu toda a área erudita da Rádio e sempre brigou por seu espaço na grade como até hoje. A equipe era formada basicamente por jornalistas saídos do recém fechado Diário do Sul, veículo que havia marcado época justamente por reunir em seus quadros a nata do jornalismo gaúcho e pela qualidade de sua reportagem cultural. Eu e meu amigo Luiz Henrique Fontoura éramos meio estranhos no ninho naquela turma, por nossa trajetória voltada ao rádio e a televisão. Luiz Henrique saíra da RBS TV para trabalhar na rádio por sugestão minha, que lhe enchia os ouvidos com as possibilidades de atuar na FM Cultura. Ele, um obcecado por música cuja grande alegria na vida era frequentar as lojas de discos da Galeria Chaves, onde, a cada final de mês, gastava todo seu salário. Um amigo nosso, o Zé Alberto Andrade, dizia que as funcionárias das lojas já esperavam pelo Luiz Henrique na porta, disputando para ver quem conseguia levá-lo para dentro primeiro. Ele era o cara para trabalhar na Rádio Cultura, pensava eu, com toda a razão como mostraram os anos em que ele está a frente sozinho do Conversa de Botequim e também do Contracultura, junto com o Luís Dill, entre outros programas bacanas.

Estavam lá na equipe também gente muito competente que depois seguiu outros caminhos na profissão, como a Cida Golin, Sandra Simon, a Lena Annes, o Silvio Ferreira, a Anália Koehler, a Guta Teixeira. Gente que sonhava e sonhou junto por alguns anos dentro da FM Cultura. O falecido Betão Andreatta, que chefiava o jornalismo, o Sérgio Karam, músico e programador que fazia uma seleção musical capaz de deliciar os ouvintes por conseguir dar um encadeamento natural e ao mesmo tempo capaz de provocar a reflexão sobre cada composição executada. Depois veio mais gente, como a Marta Schmitt e, mais recentemente, a Clarice Difenthaler , além de tudo uma grande cantora lírica. Cada um que passava pela Rádio nos deixava com uma experiência diferente para contar. Muitas histórias, nem todas publicáveis, mas que refletiam a peculiaridade de trabalhar numa rádio pública, onde a liberdade de criação e as dificuldades, sejam financeiras ou de estrutura, sempre andaram juntas. Cada um com um jeito, com suas crenças, suas ideias dando forma a uma rádio que era e é diferente de tudo que se fazia e faz em rádio. E não é só por não ter comerciais. A Rádio Cultura é assim por que nasceu de um sonho e, como todo sonho, nada consegue matar nem as piores gestões.

Infelizmente, como todo órgão ligado ao Estado, a Fundação Piratini sempre sofreu com as trocas de governo. A cada quatro anos éramos confrontados com chefes que não tinham qualquer intimidade com aquele típico específico de emissora, e, às vezes, nem com o veículo rádio. Gente que considerava música erudita elitista e acreditava que deveríamos acabar com estes espaços na programação. Pessoas que vinham prontas para impor sua visão sobre rádio, geralmente moldada pelos padrões das emissoras comerciais que tanto detestávamos. Aqueles que achavam que o Ibope deveria ser nossa principal preocupação e não a ideia de oferecer algo inédito em conteúdo radiofônico e relevante em termos de crescimento ou identidade cultural. Alguns diziam que a programação da Rádio era “muito triste” ou então que devíamos atender ao “ouvinte médio”, algo que, para nós, significava promover um “rebaixamento” na programação para colocá-la ao nível das demais emissoras a fim de “fisgar” o público. Uma estratégia caça-níquel rasteira que provavelmente só faria perder os ouvintes que tínhamos. “Mas quem são esses músicos desconhecidos que vocês insistem em rodar aqui?” “E por que estas entrevistas imensas?” “Ninguém vai querer ouvir isso.” “Nenhuma reportagem deve durar mais de três minutos.” Estas e outras fórmulas prontas sempre nos atazanaram. Como explicar para alguém da nossa alegria ao saber que a limpadeira do prédio em que moramos conhecia nossa voz dos comentários de cinema. Ou então, que o vendedor de churrasquinho da esquina da Morretes com a Assis Brasil sabia do nosso nome por ouvir tantas vezes no final dos comentários ou programas. Orgulho maior ainda poder dar um autógrafo (como os grandes do rádio de antigamente) para o dono da banca de jornais e escutar o Conversa de Botequim a pleno no cachorro quente da Anita Garibaldi. Foram muitas discussões, brigas mesmo, nas quais, admito, nem sempre saímos ganhando.

Para ficar na seara do cinema, como produtora do Na Trilha da Tela quase sempre participei das coberturas do Festival de Gramado. Foram mais de 15 anos acompanhando o evento, claro que nem sempre nas melhores condições. Das primeiras coberturas nas quais tivemos locutores, apresentadores, repórteres, operador e até produtores, fomos sendo esvaziados aos poucos. Na última cobertura, de toda a Fundação, somente eu, a repórter da televisão e um cinegrafista. Eu com a tarefa de fazer matérias para a Rádio e comentários para a tevê e produzir e apresentar meu programa com as trilhas inéditas de Gramado de um telefone da assessoria de imprensa do Festival. No ultimo ano, nem isso, sob a alegação de que seria impossível fazer a cobertura, mesmo eu tendo a hospedagem garantida pelo festival. Ainda assim, tenho muito orgulho de dizer que cumprimos com nosso dever de manter o público informado de uma maneira não superficial, pois nosso foco nunca foi o “tapete vermelho” ou as estrelas que subiam a serra, mas o cinema como arte capaz de provocar reflexão e transformação.

Sempre reservamos espaço para o curta-metragem, para o pessoal que vinha pela primeira vez com seus filmes e, nos últimos anos, para os jovens recém saídos dos cursos de cinema que apresentaram trabalhos realmente desafiadores e interessantes. Durante alguns poucos anos, como apresentadora do Curta TVE, também pude conviver muito com esse pessoal a quem eu via com especial carinho por entender perfeitamente a parcela de sonho envolvida em seus trabalhos. Lembro ainda hoje do brilho do olhar de um rapaz curta-metragista ao ser entrevistado no programa. Um brilho que lembrava estrelas, notado inclusive pela produtora do programa, a querida e competente Paola Botelho.

Foram muitas coberturas: Fórum Social Mundial, Prêmio Açorianos, eleições, Feira do Livro, transmissões especiais cujo objetivo era cumprir a tarefa importante, mas sempre desafiadora pelas condições técnicas, de levar a FM Cultura para a rua e aproximá-la dos ouvintes. Entrevistas históricas com gente como Baden Powell, Quinteto Violado, Carlos Lyra, Miúcha, Demônios da Garoa, Túlio PIva, Taiguara, Ney Lisboa, Nelson Coelho de Castro e tantos outros. Tínhamos toda a consciência do privilégio que era poder fazer perguntas e principalmente apreender cultura direto da fonte com artistas como Mário Lago, Nelson Pereira dos Santos, Sérgio Ricardo, Walter Salles e até, glória das glórias, Ettore Scola em sua única visita à Porto Alegre, quando também foi lançado o filme A História de um Jovem Homem Pobre.

Nos últimos anos, a FM Cultura parecia ter encontrado um caminho próprio e legítimo dentro do dial das FMS. Nós éramos e somos ainda, enquanto no ar como rádio pública, a alternativa de centenas de ouvintes que nos dão respaldo e resposta. As redes sociais nos proporcionaram um contato mais constante e dinâmico com os ouvintes, algo que, neste ritmo, finalmente parecia projetar a FM Cultura para públicos maiores. A ideia de mesclar jornalismo com música havia dado tão certo que já estava inclusive sendo copiada por outras emissoras. A importância de contextualizar as músicas executadas, em lugar de apenas anunciar, finalmente parecia estar sendo reconhecida pelas emissoras mais comerciais e até para aquelas de conteúdo quase exclusivamente jornalístico. Uma nova safra de profissionais estava começando na FM Cultura e, por mais que houvesse uma diferença de gerações entre nós e também de conceitos sobre o que uma rádio pública deveria ter como prioridade, parecia que o futuro da FM Cultura estava assegurado. Eles tem o fôlego e nós, a experiência.

A proposta de extinção da Fundação Piratini, junto com outras nove Fundações, produtoras de conhecimento, pesquisas e estudos importantíssimos para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul, nos pegou realmente no contrapé. O choque, do qual confesso ainda não me recuperei, repercute em nós como um luto. Dia desses, meu professor do curso de Especialização em Literatura Brasileira, Guto Leite, colocou a seguinte pergunta no Facebook: “se você não tivesse obrigações de qualquer tipo, você se dedicaria a que atividade?” A pergunta era complementada por uma assertiva: “Tudo o que você faz e que não está relacionado a essa resposta, em maior ou menor grau, violenta sua verdadeira natureza.”

A pergunta e a afirmação me renderam o pensamento que coloquei em comentário: “Ler, ver filmes, ouvir músicas novas, conhecer gente e viajar. Exatamente nessa ordem. Até hoje, por conta do trabalho que tinha, sempre pude fazer isso. Agradeço ao universo e as minhas escolhas particulares por terem me permitido isso durante 27 anos.”

Então, ao fim e ao cabo, acho que tudo valeu a pena, o sonho sonhado, o sonho vivido e até mesmo o luto deste momento, pois sei que agimos de acordo com nossas consciências dando o melhor de nossas vidas profissionais e inclusive pessoais, pois, a esta altura, não tem mais como separar uma coisa da outra. Muitas vezes, nós os mais antigos na Rádio, também chamados de “os velhos” fomos acusados de achar que a FM Cultura nos pertencia, que éramos os donos dela. Como se isso fosse um demérito, tratar a coisa pública como trataríamos nossos pertences pessoais, lutar por ela, resistir contra aquilo que considerávamos superficial e um achincalhe da inteligência alheia. Talvez o(s) governo(s) não entenda (m), mas a Rádio é sim também nossa, pois fazemos parte da população do Estado, a criamos do zero e cada parede tem um pouco de nossas vitórias e derrotas. Cada disco, acalentado como um novo tesouro. Cada entrevista como um momento a ser para sempre lembrado. Nós somos sim, todos nós, a FM CULTURA.

Em 13/02/2017

 

0 Comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Dossiê Prêmio ACCIRS 2016 | ACCIRS - […] Somos Todos a FM Cultura […]

Post a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>